Giovanni Polazzi

GIOVANNI POLAZZI

Graduou-se em arquitetura com a nota máxima, na Universidade de Florença e recebeu o título de doutor em pesquisa em “Projetos Arquitetônicos e Urbanos”, na mesma universidade com uma tese intitulada “Raffaello Fagnoni Arquiteto Florentino – Análise de um trabalho entre atividade didática e profissional.” Em 1988 funda o estúdio Archea onde desenvolve projetos e pesquisa no campo arquitetônico, urbano e no setor de desenho industrial.

Atividade de didática

Ao longo dos anos foi professor contratado, pela Faculdade de Arquitetura de Gênova, de “arquitetura de interiores” e, pela Faculdade de Arquitetura em Parma de “projeto arquitetônico”; atualmente é titular de “laboratório de projeto arquitetônico”, pela Faculdade de Arquitetura da Universidade de Florença. A sua atividade didática é desenvolvida através de uma estreita relação entre lições teóricas e desenvolvimento de projeto em sala de aula, tendo como objetivo aquele de investigar as relações que existem entre a idéia compositiva e o tema arquitetônico. Os cursos têm como finalidade, a realização junto ao aluno da definição do projeto em todas as suas fases e partes, o representando desde a escala da paisagem até os elementos detalhados.

Atividade profissional

Com o estúdio Archea participa de alguns dos mais importantes concursos nacionais e internacionais de arquitetura obtendo numerosos reconhecimentos e prêmios: o primeiro prêmio, em 1998, pelo concurso do pólo direcional e comercial di Calenzano em Florença (com Ipostudio e Di Franco), o terceiro prêmio, em 1999, pela nova sede da Faculdade de Arquitetura de Veneza. Venceu, em 2003, o concurso para a ampliação do porto de Savona (com 5 +1 e Pellegrini) e também para a projetação, melhoramentos e adequação normativa do Camping Michelangelo em Florença, e, em 2005, a competição internacional a convite, promovido pela Pirelli RE e Morgan Stanley – empatando com Michael Maltzan Arquitetura – pela ex área Ansaldo de Milão na zona de Grande Bicocca. Nos últimos anos, se ocupou das projetações de várias vinícolas, além da Cantina Antinori, em San Casciano Val di Pesa, e na China, da vinícola Shangri-la Winery em Penglai, e atualmente em construção, o complexo de Guizhou Winery e Changli Winery. Seguiu o projeto do Villaggio Sportivo para os Jogos Asiáticos realizados em Doha, em 2006, e da Li Ling World Ceramic Art City, na China, que está em construção. Desde 2006 tem participado de várias competições na China, incluindo, em 2011, para o Meixi Lake Cultural Center de Changsha, projetado sobre a base do plano diretor do estúdio nova-iorquino KPF, e um para o plano diretor do novo distrito da cidade chinesa de Zhengzhou. Também em 2011 foi convidado a competir para um hotel em Doha, no Qatar, no qual o estúdio saiu vencedor. A maioria das obras de arquitetura concluídas, além de serem publicadas nas principais revistas e livros internacionais (Abitare, Casabella, Domus, L’Arca, na Itália, A&V Disegno interior, na Espanha, AIT e Detail na Alemanha, etc. ) foram selecionadas para importantes exposições e mostras de arquitetura. Dentro do desenho industrial, sua atividade segue uma intensa colaboração com o mundo dos componentes e da indústria da construção, a fim de concretizar uma colaboração real e efetiva entre a cultura do projeto e a cultura de produção.

Atividade de pesquisa

A atividade como projetista e a atividade didática, se associaram ao longo dos anos, à um intensivo trabalho de aprofundamento e reflexão crítica sobre os temas de arquitetura publicando ensaios e textos nos livros e revista na Itália e no exterior. Ele é redator da revista internacional de arquitetura Area e, é sempre convidado a ministrar palestras em muitas organizações e instituições. Em 1996, com o “Centro de Entretenimento Curno (BG)”, foi convidado a participar da seção italiana da “VI Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza”, em 2002, com a “Casa de Leffe”, foi selecionado para a “Exposição Internacional de Arquitetura de Pedra” e a exposição italiana de arquitetura em Tóquio intitulada “Do futurismo para o futuro possível.” Participa também do evento extranet “Lonely living” no âmbito da “VIII Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza”, e também para a Bienal em 2003, como convidado, para a realização do ingresso da “50 ª Edição das Artes Visuais” com o trabalho itinerante “The Cord” projetado pelo Studio Archea Associati e C + S.

Download PDF